close

OLHO NA RUA

OLHO NA RUA

54ª Produção

FICHA ARTÍSTICA

textos Bertholt Brecht, Herberto Hélder, Jehan Mayoux, Mia Couto, Regina Guimarães, Rui Zink, Teresa Lobato, Vergílio Alberto Vieira, William Shakespeare

encenação António Fonseca, Denis Bernard, José Ananias, José Miguel Braga, Mónica Lara

elenco Alexandre Fernandes, Alice Antão, Ana Cláudia Carvalho, Ana Costa Pereira, Ana Dias, Ana Gabriela C. Duarte, Ana Isabel Vieira, Andreia Lages, Ângela Peixoto, Cândida Pinto, Carla Ferreira, Catarina Afonso, Catarina Dias, Cláudia Vilaça, Diana S. F. R. S., Eliana Veiga, Elisa Lopes, Esmeralda Basto, Ester Lopes, Eugénia Brito, Fernando Coelho, Filipa Freitas, Filipa Hipólita, Filipa Moura, Florentina de Castro, Francisco Areias, Helena Cunha, Henrique Matos, Inês Barbosa, Isabel Barros, Isabel Santos, Isabel Sobral, Joana Almeida, Joana Carvalho, Joana Dias, João André Vilaça, Johnny, José Ernesto Moura, Leão Marado, Luísa Sobral, Madalena Reis, Mafalda Sarmento, Magda Couto, Magnólia Meireles, Manuel Afonso, Manuela Martinez, Marcos Couto, Margarida Fernandes, Maria Blanco, Maria Luísa da Fontoura, Mariana Antão, Mariana Gonçalves, Marisa Lopes, Marta Castanheira, Marta Covas, Mena Ferreira, Mirco Cordeiro, Nádia Dória, Nico, Nuno José Ferreira, Óscar Casares, Paula Passos, Pedro Cracel, Pedro Fabião Pinto, Pedro Sarmento, Ricardo Peixoto, Rita Holbeche, Rui Dória, Rute Alves, Sandra Reis, Sara Costa, Sérgio Oliveira, Sidónia Filipa, Susana Begonha, Teresa Lobato, Tiago Oliveira, Tina Pinheiro, Vânia Moura

cenografia e adereços Fernando Ribeiro

figurinos Sílvia Alves

design de luz Rui Dória, Rui Fernandes, Vicente Magalhães

música Nico

design gráfico Amadeu Santos

Espectáculo para a juventude no âmbito do projecto Teatro Escola Teatro.

SINOPSE

Olho na Rua… é uma proposta de devolução do espaço urbano à nossa fantasia. Enquanto criadores de outros gestos que, por inibição e tantas outras razões, deixamos fechados em nós, perdendo com isso uma oportunidade excelente de actos sociais, de corporizar as nossas ideias e emoções, de realizar uma certa dimensão festiva da vida. Não há arte sem liberdade. Não há liberdade sem o pleno prazer do gesto. E os gestos, como tudo na vida, aprendem-se fazendo-os…

António Fonseca